RESPECT

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

SENSEI E DISCIPULO

As artes marciais japonesas possuem, devido à sua origem militar, uma hierarquia dentro de si, as graduações oferecem aos alunos os seus referenciais e os ensinam a respeitar os que se encontra em posição mais elevada. A falta de disciplina é uma característica freqüente nos dias de hoje e conviver com um elemento tão inflexível quanto à hierarquia pode ser um choque para alguns, mas à longo prazo é sempre um benefício.

Dentro da relação entre mestre e discípulo direto, isso se intensifica de modo exponencial, o respeito e cordialidade do KOHAI (iniciante) para com seu SENSEI é algo estritamente necessário porque o mestre não escolhe um discípulo apenas por sua excelência técnica. Um discípulo será muito mais que um lutador, será seu representante, perpetuará seu legado, e, para tanto, muitos outros elementos são considerados, o comprometimento e dedicação de um aluno, por exemplo, tem um peso infinitamente maior, são os aspectos da personalidade de um indivíduo que dirão que conhecimentos podem ser confiados a ele.

Ao contrário do que se pode pensar, o objetivo de um verdadeiro mestre nunca é anular o ser e criar algo a sua semelhança, os mestres que exigem a abdicação do eu são narcisistas, exaltam suas graduações e fazem seus alunos crerem que o seu caminho é o único e melhor. Essas pessoas não procuram proliferar a sabedoria, apenas querem uma corja de escravos.

O eu sem sua essência é apenas uma cópia e nunca atingirá a evolução, o mestre deve mostrar o caminho, mas cabe ao discípulo segui-lo à sua maneira. Mesmo que o mestre ensine a postura e a técnica, ele nunca os poderá fazer pelo aluno e nem deve ser essa sua intenção, o mestre não deve ver seu discípulo como algo inferior a ele, algo que deve ser apagado e reconstruído, mas como uma das partes de uma relação, afinal, sem mestre não haveria discípulo e sem discípulo o mestre seria inexistente, é uma relação de mutualidade e cumplicidade e deve ser vista por ambos como tal.

O mestre não pode ser competitivo ou orgulhoso, ele deve ver a si mesmo como uma ferramenta, sempre esperando que seu conhecimento evolua e expanda através das gerações que o receberem, e o aluno deve ser solícito e dedicado, sem, portanto, desfazer-se de sua identidade.

Do contrário, todo o propósito milenar contido no conceito SENSEI/KOHAI, que é a passagem do conhecimento por meio da cumplicidade, se perde.


*texto retirado da net



        cena do filme O Ultimo Samurai é uma otima tradução do texto acima !